domingo, 6 de maio de 2012

Mãe...

Tu estás sempre comigo!
Em cada passo que dou, em cada ar que respiro, em cada sonho que tenho, em cada dificuldade que a vida me coloca no caminho, sei que não estou só... tu estás comigo mãe!
Mas hoje...
Hoje é um dia especial, e para mim, mãe é talvez o dia mais difícil do ano...Tu já não estás fisicamente comigo, mãe! Hoje queria tanto abraçar-te, Mãe!
Não mãezinha, o dia não foi mau... pelo contrário. Tu conheces a Ana e sabes do seu grande coração... à meia noite comecei a receber mimos da minha filha! É uma querida!
Quanto ao Carlos tu também sabes como é... Generoso e cuidador por natureza, por isso hoje amimou-me como ninguém... Encheram a casa de flores, não me deixaram entrar na cozinha... Fizeram tudo aquilo que era possível fazer para me tornar feliz, e tornaram... mas não conseguiram apagar o enorme vazio que me deixaste dentro, minha mãe! Que saudades tenho de te abraçar... Que saudades tenho de ser abraçada por ti!
Hoje, na missa, disse o teu nome a Jesus, mãe. Hoje rezei por ti, minha mãe e recomendei-te Aquele Jesus que tu me ensinaste a amar, naquela igreja onde durante tantos anos nos sentámos lado a lado, às vezes de mão dada e em conjunto rezamos pelos nossos que já tinham partido... Só que hoje não estavas lá, hoje só te tinha no meu coração, por isso  não te pude dar a mão... Que falta me faz a tua mão!  Hoje pedi por todos os nossos mãe, tal como tu me ensinaste, pelos que partiram e por aqueles que ainda por aqui estão.Pedi também por ti! Que saudades tenho, minha mãe!
Mãe, já estás com eles? Estás com o Pai, com o Hugo, com a tia Jesus? Já encontraste a tua mãe? Já  saciaste a saudade que dela tinhas?
Eu estou por cá e procuro fazer o que me tu me ensinaste, mãe. Por isso telefonei a todas aquelas mães que eu sei estarem a precisar de mimo e falei-lhes como te falaria a ti, mãe. Assim ficaste mais perto e acredito que ainda te consegui aquecer um pouco o coração...
Minha querida mãe...
Estive a ver as tuas fotografias... Esbatem um pouco a saudade...
Quantas partidas já aconteceram na minha vida? Vocês os dois, os meus bebés,o Hugo tão cheio de sonhos e de promessas, o Jean Paul, tão louco e tão feliz, os avós, os tios e os primos, tantos primos... Quando será que nos encontraremos de novo? Nesse dia vamos fazer uma grande festa, não vamos mãe?
Por agora tudo o que posso fazer é amar. A Ana, o Carlos,os Manos,os meus sogros, os sobrinhos, os amigos, as crianças da escola e todos aqueles com quem tive a sorte de um dia me cruzar. Vou servir, mãe, tal como tu me ensinaste. Vou servir muito, amar a todos, o mais que puder, para que, quando chegar a minha vez de partir, possa ir direitinha para o pé de ti. Nesse dia juro que mato esta imensa saudade.E prepara-te mãe, que nesse dia, sento-me ao pé de ti e nunca mais de lá saio, minha mãe!
Obrigado por teres sido a minha mãe!




 Tenho tantas saudades desse teu sorriso gaito e dessa luz que sempre vi brilhar nos teus olhos, mesmo nos momentos mais difíceis! Tenho tantas saudades tuas, minha Mãe!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Elvas


Elvas
Escorrendo p´la encosta, alva e bela,
Da prisão na muralha faz vantagem,
Fundindo-se com ela numa estrela,
Exibe-a bem ao longe na paisagem.

O casario é branco e arrumado,
As ruas são direitas, parecendo,
Adormecidas num tempo eternizado,
Em que o silêncio toma novo alento.

E o meu coração perdido na cidade,
Arrebatado por ela, pode assim,
Vaguear no seu espaço e com vontade,
Viver com ela uma paixão sem fim.

E mesmo tendo plena liberdade,
De se perder por um qualquer jardim,
Por amar loucamente esta cidade,
Arrastou-a p´ra bem dentro de mim!

Lisboa, Agosto de 2011

domingo, 5 de dezembro de 2010

Natal!

Um dia é um anjo,
no outro o Menino,
ovelhas, pastores
Árvores a brilhar...

É tempo de cor,
Sabor a magia,
São mil sons e cheiros,
Tempo de sonhar!


Tempo de partilha,
De pensar nos outros,
De ir ao encontro
E sem hesitar

Acolher a todos
Ser feliz, amigo,
Ser como um abrigo,
Todos abraçar!

Natal hoje e sempre,
Natal dia a dia,
Natal é poesia,
É tempo de amar...

Para todos os que nos visitam, votos de um Santo Natal!

sábado, 30 de outubro de 2010

Tagore...

Que sempre me tocou profundamente pela sua simplicidade e beleza e fé.
Aqui fica:

"Colhe  Senhor
Esta pequena flor
Não te atrases
Colhe-a...

Temo que o dia termine
e passe a hora da oferta.
Temo que o dia termine,
antes do meu despertar.
Por isso,...
Colhe Senhor
Esta pequena flor
Não a esqueças
Colhe-a...
Com a tua caricia piedosa,
Sim colhe-a com a tua mão
Colhe-a com a Tua mão!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Beleza




Tudo isto é lindo!
Vivo maravilhada com a beleza que encontro no meu caminho...
Que bom é estar viva e poder usufruir da natureza exuberante que me rodeia!
Então como não Te agradecer?
O dom da vida,
A família que me foi concedida,
O dom da profissão escolhida,
Os amigos,
O dom da Paz
E toda esta natureza que me encanta e me fascina.
Por tudo isto, Senhor, obrigado!

"Tudo gira à Tua volta
E em função de Ti,
Não importa o quando,
O onde e o porquê.
A única razão és Tu,
Meu único sustento és Tu,
A minha vida existe
Porque existes Tu!!!"

Obrigado!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Para ti, mãe...



Falta pouco para o dia da Mãe...
Por isso, e em sua homenagem, hoje uso um dos poemas escrito pelo meu irmão,que também é meu padrinho, meu modelo, meu mentor, meu conselheiro, o meu orgulho, o meu poeta preferido, aquele que me entende e que é sem dúvida o exemplo vivo do que deve ser um irmão.
Obrigado Mano, por seres como és e por me emprestares o teu poema.





Dedicatória

Nestes Poemas que escrevo,
Há muito mais que saudade,
Há protestos, há enlevo,
Há paixões que trago e levo,
Lembranças da mocidade.

Muitos falam de alegrias,
Quantos de mágoas, também,
outros lembram-me bons dias,
Terras, gentes, nostalgias,
E muito amor por ti, Mãe

Vitor Cintra

Mãezinha
Que saudade...
Já quase passaram dois anos, mas a saudade permanece mais viva a cada dia que passa.
Que falta me fazes mãe!...
Que saudade das conversa, dos conselhos, da paz, das cumplicidades...
Os lugares são os mesmos, as paisagens também, e as cores, as flores... Mas de ti só a lembrança...
Às vezes o vento traz um cheiro, um riso, uma melodia... Às vezes até me parece ouvir a tua voz... E depois... de ti apenas lembranças e a memoria de cada instante que passámos juntas.
Que saudade das tuas histórias, das gargalhadas e até do mau génio, tão presente também em mim...
Que saudade dos teus braços, do teu abraço, Mãe.
Eu sei que tu estás bem, sinto-o no meu coração!
Mas tenho saudades tuas , Mãe...
E a vida vai seguindo o seu rumo, passo a passo, dia a dia, tentando mostrar que nada mudou.
Porém, no meu peito, o meu coração vai dizendo...
Tenho saudades tuas, tantas,tantas, minha Mãe!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Páscoa Feliz



A todos os amigos, votos de uma páscoa feliz e carregadinha de coisas boas.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Esconderijo...

Bem escondido, o bolinha dorme um merecido sono de paz...



Ai que inveja!!!

domingo, 24 de janeiro de 2010

Promessas...




Promessas

Muita água corre ainda nas ribeiras,
Os campos já se pintam de amarelo,
Nas árvores nuas, ainda adormecidas,
Gomos tenros despontam, como é belo.

Novo ciclo de vida se aproxima,
A vida em toda a Terra se renova,
Inverno é o senhor que reina ainda,
Mas prepara o caminho à vida nova…

E a passarada canta sem temor,
Chilreada cheia de promessas
De primavera plena, toda em flor
Que chega devagar, sem grandes pressas.

Onde o tempo vai passando de mansinho,
Onde a vida vai fluindo e a todos traz,
Cheiro a tomilho, salva e rosmaninho,
Emoção sem fim, canto de Paz.


Tercena
Janeiro de 2010

domingo, 8 de novembro de 2009

De uma amiga de longa data...




Chegou-me através dos comentários. Mandou-a uma amiga especial, e é tão bonita que simplesmente não podia ficar escondida.
Obrigado Ana, pelo teu carinho e a tua sensibilidade!!!

PRECISAMOS DE SANTOS

Precisamos de Santos sem véu ou batina.
Precisamos de Santos de calças de ganga e ténis.
Precisamos de Santos que vão ao cinema,
ouvem música e passeiam com os amigos.

Precisamos de Santos que colocam Deus em
primeiro lugar, mas que também se ‘esforcem’ na faculdade.
Precisamos de Santos que tenham tempo para rezar
e que saibam namorar na pureza
e castidade, ou que se consagrem na sua castidade.

Precisamos de Santos modernos, Santos do século
XXI, com uma espiritualidade inserida no nosso tempo.
Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e
as necessárias mudanças sociais.
Precisamos de Santos que vivam no mundo, se santifiquem
no mundo, que não tenham medo de viver no mundo.

Precisamos de Santos que bebam coca-cola e comam hot-dogs,
que usem jeans, que sejam internautas, que usem walkman.
Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro,
de música, de dança, de desporto.

Precisamos de Santos que amem apaixonadamente a Eucaristia
e que não tenham vergonha de tomar um ‘copo’
ou comer uma pizza no fim-de-semana com os amigos.

Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos,
alegres e companheiros.
Precisamos de Santos que estejam no mundo;
e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo,
mas que não sejam mundanos."

João Paulo II

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

"Pão por Deus"


Este ano, na nossa sala, fomos ao “Pão por Deus”
O “Pão por Deus” é uma tradição que existia nas aldeias saloias quando eu era criança. Penso até que é uma tradição da Estremadura e Ribatejo.
O "Pão por Deus", pedia-se no dia 1 de Novembro, que segundo o calendário da Igreja é o Dia de Todos os Santos, e por isso se chama "Pão por Deus". Nas aldeias, grupos de crianças, com um saco de pano na mão, vão de porta em porta pedindo o “Pão por Deus”. Nalgumas aldeias dos arredores de Lisboa ainda se mantém e embora comece, pouco a pouco, a ser substituída pelo "Doçuras e travessuras" do Hallowen. Coisas da globalização!
Nós este ano fomos ao “Pão por Deus”. Falámos com algumas mães e lá fomos nós. Foi uma festa!
É com emoção que penso nos “Pão por Deus” da minha infância e em como me sentia feliz com as castanhas, os figos passas, um ou dois rebuçados e cinco ou dez tostões, todos em moedas de um tostão. Como me sentia rica!
E fiquei feliz quando vi nos olhos das crianças da sala a mesma alegria e o brilho da expectativa da novidade. Mudam-se os tempos, mas a alegria e a inocência da Infância permanece. Aos adultos cabe apenas o papel de cuidar e preservar e ajudar a reviver a tradição!

domingo, 1 de novembro de 2009

Dia de todos os Santos...



Hoje é o nosso dia, o dia de Todos os Santos. Falou-se de Bem Aventuranças, Santidade e Felicidade. E o que é que quer dizer Bem Aventurança? É isso mesmo, Felicidade.
As bem-aventuranças são 8 ensinamentos que, de acordo com o Novo Testamento, Jesus nos deixou no Sermão da Montanha, para ensinar e revelar aos homens a verdadeira felicidade.
As Bem Aventuranças dizem-nos que:
Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos Céus.
Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.
Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque serão saciados.
Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.
Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.
Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal de vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque grande é a vossa recompensa nos céus.
Este é um dos Evangelhos que mais gosto... Foi muito bom ouvi-lo de novo
e, depois de pensar percebi que, a Santidade é a felicidade verdadeira!
Então quem são os Santos? Somos todos nós, os que procuramos viver segundo as Bem Aventuranças. Somos todos nós, cada vez que somos felizes!!!

domingo, 18 de outubro de 2009

Dia das missões



Hoje é o dia de todos nós, cristãos, porque é o Dia Mundial das Missões. Bento XVI lança duas palavras chave para este dia, que deveriam ser o nosso lema não apenas hoje, mas sempre. São elas: Testemunho e Serviço.

"Eu tenho um sonho. Sonho que um dia os homens se vão levantar e compreender que foram feitos para viverem como irmãos. Sonho que um dia a justiça correrá como água e a rectidão como um rio impetuoso. Sonho que um dia a guerra cessará e os homens irão transformar as espadasem arados e as lanças em foices. As nações nunca mais se lançarão umas contra as outras e não farão projectos de guerra. Aquele será realmente um dia maravilhoso! As estrelas da manhã cantarão em maravilhoso coro e os filhos de Deus gritarão de alegria!"

Texto lido na VIII estação da Via Sacra ontem, em Fátima quando, integrada na Peregrinação Anual da Paróquia de Barcarena, fui agradecer a Maria o "Seu modelo" de Paz, a Deus todas as imensas Bençãos que me concedeu e pedir pela família e por todos os amigos.

Hoje é dia mundial das Missões... Que a nossa missão possa ser sempre de Paz!

sábado, 10 de outubro de 2009

Homenagem

Sob a chancela da editora "Temas e debates", foi hoje o lançamento do segundo livro do meu irmão. Chama-se "Entre o longe e o distante" e mais uma vez, como todos os seus poemas, toca-me no fundo do coração.
Começa com uma dedicatória que nos toca profundamente...

Dedicatória

Nestes Poemas que escrevo,
Há muito mais que saudade,
Há protestos, há enlevo,
Há paixões que trago e levo,
Lembranças da mocidade.

Muitos falam de alegrias,
Quantos de mágoas, também,
outros lembram-me bons dias,
Terras, gentes, nostalgias,
E muito amor por ti, Mãe.

Diz-nos o editor no prefácio: "O Poeta é, sem dúvida, um Mestre da Palavra. Trabalha-a exemplarmente. Cada um dos poemas é possuidor de uma serena musicalidade que, se ao leitor pode parecer simples, verificamos que cada um dos versos foi talhado habilmente, com rima e metrica perfeitas, e, sobretudo, possuidores de uma pródiga riqueza imagética."

Então ainda não estão com curiosidade?

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Ser professor...


Professor…
Uma palavra cheia de significado, carregada de intensidade e de promessas.
Eu sou professor. Tenho a mais bela profissão do mundo.
Professor...
Sou professor… Acho que já nasci com este desejo no coração, por isso sou feliz…
Feliz mesmo por entre todos os ataques que me fazem, feliz apesar de me tentarem convencer que esta é uma profissão caída em desuso, uma profissão sem valor, uma profissão em vias de extinção…
Sou professor hoje e sempre…
Que outra profissão consegue mudar destinos, consegue apagar choros, consegue construir sorrisos?
Que outra profissão consegue ter uma matéria-prima tão genuína e tão rica?
Que outra profissão constrói Pessoas, forma almas e toca corações?
Sou Professor. Não trabalho apenas hoje, formo Homens para amanhã.
Sou Professor! Sou antes de tudo um construtor do futuro!!!
Ser professor é a minha vida… nunca poderia deixar de o ser!

domingo, 27 de setembro de 2009

Domingo


Hoje é domingo e domingo, para mim, é sinónimo de Paz.
Paz porque o dia se espraia a meu belo prazer. Paz porque a família está junta, sem pressas. Paz porque vou à Missa. Sim, todos os domingos vou à Missa. Porquê? Porque sinto que Deus me ama e como Ele nos pediu "Fazei isto em memória de mim", eu vou à Missa porque esta é uma forma concreta de O amar.
...E depois há o silêncio. Em que outro local, pelo menos na cidade, se tem um silêncio de qualidade, como dentro de uma igreja? E é no silêncio que o meu coração repousa. É no silêncio que a minha alma se alarga e se alimenta. E depois, Deus, no Seu infinito Amor por nós, está lá sempre à nossa espera. Por isso, quando entro na igreja, descanso, rejubilo, cresço, alimento a minha alma, sou feliz e sinto-me em Paz! Lá está à espera a Vida, lá o meu coração repousa...
...para recomeçar o seu andar!
Hoje é domingo, e domingo é dia de Paz!

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Luz e escuridão...


Estou feliz, imensamente feliz. Voltar a Valejas foi um presente que nem ousava desejar e afinal estou mesmo cá, na luz, no sol, em casa. Às vezes pergunto-me como é que sobrevivi àqueles três anos de más caras e de escuridão. Valeram-me as crianças e as famílias. Valeram-me a Estela e a Alcina e o desejo imenso de viver na luz. De manhã, quando me metia no carro e entrava na Crel, dava um último olhar à Serra de Sintra e pensava: "São só seis horas". Mas parecia uma vida… Enquanto conduzia ia conseguindo ver e agradecer as coisas bonitas da paisagem, mas quando chegava ao alto da Brandoa, quando começava a descida entre os prédios altos e colados uns aos outros, começava a faltar-me o ar e a tristeza atacava. Já sabia que o dia ia ser de más caras, de meias palavras, e de pouca clareza. Por isso chegava em cima da hora e fechava-me na sala. Lá, estava entre amigos, lá as crianças eram sinceras e os pais e avós eram afáveis e reconheciam o trabalho. Tenho muitas saudades deles, gostava de os ver, de os encontrar, de os abraçar, de lhes dizer o quanto foram e são importantes na minha vida, mas nunca, nunca mais quero ir para aqueles lados... Não são só as crianças que não gostam do escuro, eu também não!... Mas não é o escuro da noite que me assusta. É o escuro das almas. É a tristeza, a desarmonia, as sombras e durante três anos foi assim que me senti. Só dentro da minha sala é que me sentia na luz... Ainda me arrepia aquele corredor comprido, feio,frio e escuro que levava à minha sala... Não importava a quantidade de trabalhos que se punham nas paredes. A escuridão era realmente impenetrável.
A diferença entre aquele tempo e agora, é que eu entrava e saía da escola sempre com sombra, e quando, na hora do almoço brilhava o sol, era um sol implacável, a pique que nos cegava de tão forte.
Agora, que diferença, entro e saio com luz. O dia tem manhã, tarde e noite e eu nunca tenho a sensação que é escuro. Tudo brilha, tudo está no lugar! Como agradecer tamanho dom?

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Eu sonho...


Eu sonho...
... com um novo mundo, um mundo de Paz, de gente feliz e de Homens novos!!!
Eu sonho...
... com uma nova escola, uma escola activa, viva, inclusiva, onde cada um tenha o seu lugar!!!
Eu vejo...
... tantos narcisistas, só para si voltados, tanto egoismo, amargura e dor...
Eu vejo...
...Um mundo pesado, feito de passado, de coisas pequenas e de desamor!
Eu quero...
...Um mundo melhor, mundo de justiça, de Paz, de partilha, onde cada homem possa ser feliz!
Eu luto...
...por um novo mundo, um mundo melhor, mundo de harmonia, alegria e amor!
Eu sei...
...sei que o caminho nunca será fácil, mas que é possivel, eu tenho que crer.
Depende de mim, de ti , de cada homem e desta nova escola que está a nascer.

A todos os professores que heroicamente e com tão poucos recursos, lutam e promovem esta nova escola.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Ideias...


Estou mesmo sem ideias. Agora que tenho um blogue onde posso escrever o que me apetecer, estou sem ideias ou, quando elas surgem estou sempre nalgum local onde não posso escrever.
Por isso, como não tenho nada de "estrondoso", nem poético, nem fantástico para contar, aproveito esta minha faltinha de ideias para dizer obrigado a todos quantos me vão aturando...
Amigos, é muito bom partilhar estes momentos convosco, nem que sejam apenas momentos como estes, momentos em que faltam as ideias!!!

domingo, 6 de setembro de 2009

Fazer parte de...


Hoje é domingo. Sentada no carro, com o rádio ligado baixinho, sintonizado na Antena 2, observo o que me rodeia e espero que o Carlos termine os seus afazeres... É assim todos os domingos!
Não, não estou aborrecida. Estou apenas a observar e a tornar-me assim também, parte do que observo, neste caso o vale da ribeira de Barcarena.
Adoro este vale! É um luxo no meio da cidade... Soalheiro, verdejante, pujante de vida, sobrevive entalado entre Tercena, Leceia e Valejas.
Ao longe vê-se o mar... No ar plana um casal de águias em perfeita sintonia! Sinto alargar a alma e repousar o coração. Também eu faço parte disto...
Nos muros derrubados da Barcarena de outros tempos, gatos vadios e coloridos dormem ao sol. Os pássaros piam e as rolas, em voo livre, cruzam o vale. Talvez, se tiver sorte, consiga ver os patos da ribeira, agora depoluida.
Por isso não estou nada aborrecida e até espero que o Carlos ainda demore um pouco mais! É que este vale de Barcarena tem o condão de me limpar a alma!

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

3 de Setembro...




"Nas grandes águas de minha Mãe nasci, um dia em pleno Verão. Uns meses antes, em pleno Inverno, tinha havido fogo de artifício entre meus Pais. Era o sol da vida!"

Antoine Saint Éxupery
Terre des Hommes

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Estou na Lua...



Estou na lua
Não me chateies
Que agora estou na lua,
E em breve vou chegar ao céu...

Sim, estou na Lua. Já começou a viagem deste novo Ano Lectivo, e com ele vieram as reuniões e os papeis, mas vieram também os amigos, e é tão bom estar entre os amigos! Nos outros anos também estava entre amigos, e alguns deixaram no meu coração laços que nem o tempo vai conseguir apagar, mas agora estou em casa! Agora tudo é diferente. Tudo é luz, tudo é cor, tudo é alegria e família. E depois há o verde dos campos e dos jardins... Eu sempre me senti mal sem verde. O cimento atrofia-me e deixa-me triste. E foram três anos de cimento, de profundezas e de asfixia. E agora tenho ar, sol, arvores para trepar, flores para apanhar, terra para mexer e animais por perto. Estou feliz, estou mesmo muito feliz!!!
Acho que em breve vou chegar ao céu!!!

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Ano novo, vida nova!...


Não, não estou louca. Para mim é mesmo Ano Novo!... É que a escola e o ensino estão de tal forma enraizados em mim que os anos que contam são os lectivos e não os civis. Por isso, para mim, hoje é véspera de Ano Novo e por conseguinte é véspera de mudança. Tenho na boca aquele gostinho a novo, a surpresa, a coisa boa! Tenho no coração a alegria da expectativa e da antecipação. E estou feliz! Até o dia me parece diferente... Há mais luz, mais claridade... Só me apetece cantar...Há também a certeza que estou em casa e que desta vez o jogo está a meu favor. Vou finalmente poder abrir as asas e voar. Vou finalmente poder dar asas à imaginação e pôr tudo o que tenho cá dentro ao serviço. Vou finalmente voltar a ser eu e poder amar livremente, sem maus juízos, sem invejas, sem censuras e más interpretações. Já alisei as penas, fortaleci as asas, verifiquei os ventos. O espaço está livre, o oceano calmo. Do cimo do penhasco observo...Tudo convida ao mergulho.Finalmente posso voltar a voar livremente, finalmente posso voltar a ser EU! Entendem agora porque é que estou feliz?

sábado, 29 de agosto de 2009

Em maré de poesia...


Se é que a estas rimas se pode chamar poema. São momentos em que as palavras saltam de dentro e eu não as consigo parar...
Então aqui vai:

Douro

Por entre altos montes vai correndo,
Águas profundas que aparentam calma,
Sem sobressalto, sempre murmurando,
Beleza imensa que renova a alma.

À sua volta a vida de rompante
Surge das águas, mistura-se com elas
Tudo é verde, frondoso e num instante
Sentimos que fazemos parte delas.

É azul, verde, castanho, cor de ferro,
Tem um brilho intenso, que o sol lhe traz
É magia e sonho, sabor a eterno…
Imensidão, beleza, plenitude e Paz!

Douro, Agosto de 2009

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

De volta...


É bom estar de volta a casa.
As férias foram excelentes. Primeiro no Norte, entre o Douro, o Minho e o glorioso Porto, entre paisagens assombrosas e os mimos da família e dos amigos. Aí, ainda com internet e portanto com as férias apenas a metade.
Depois na Costa Alentejana, entre a areia, o Mar, os amigos o Carlos e a Ana. Foram verdadeiramente férias... grandes caminhadas, belos banhos de mar,conversas pegadas, risos sem fim e momentos de beleza infinita. Vim com o corpo descansado e a alma limpa. (E com muitas saudades da internet...)
Agora, com as baterias recarregadas, é recomeçar com toda a garra e todo o empenho.
Foram umas belas férias!!!

Sete horas…

Pelas dunas soprando de mansinho,
A brisa da manhã traz até nós
Cheiro a maresia, a algas, rosmaninho,
Alecrim e poejos, a menta e noz.

E o Mira preguiçoso toca as margens,
Cantando uma canção suave e calma.
Nele os barcos balançam lentamente
Ao sabor da corrente, sua alma.

Lá ao fundo na foz, batendo as rochas,
Parecendo enfurecida, a maré
Vai chamando, qual mãe ansiosa
Pelas águas do rio, parado ali ao pé.

Juntinho ao rio e ainda adormecido,
Entalado entre as dunas e os pinhais
O casario branquinho de Milfontes
À luz do sol nascente brilha mais.

No ar plana um bando de gaivotas,
Nos telhados vermelhos, nos beirais,
A vida vai surgindo e a pouco e pouco,
Vão acordando rolas e pardais.

Vila Nova de Milfontes, Agosto de 2009

domingo, 16 de agosto de 2009

Desabafos...


O tempo vai passando e eu não consigo esquecer...
Porque será que por mais que se procure dar o nosso melhor a cada momento, que se procure construir, que se procure criar um ambiente de bem-estar à nossa volta, há sempre quem procure empurrar-nos para baixo, desvalorizando o nosso trabalho e dando-lhe uma conotação negativa que nós nunca pensámos existir...
Quando cheguei à Brandoa não cheguei feliz. Já tinha trabalhado noutros ambientes difíceis e por conseguinte já sabia o que me esperava... mas cheguei de coração aberto e decidida a dar o meu melhor, a partilhar o que tinha e a pôr-me ao serviço, porque a escola é um organismo vivo que requer o nosso empenho e depende de cada um de nós e seu bom ou mau funcionamento.
Acho que servi bem, criei boa relação com as crianças e com os Pais e com os colegas, mas... Há sempre um mas...Ao longo dos três anos em que estive na Brandoa também guardei muitas mágoas no coração, que procurei mandar para um cantinho escuro de mim, mas que continuam a teimar vir à superfície e me têm impossibilitado de fazer aquilo que mais gosto, escrever. Por isso decidi gritar aquilo que me faz mal e não me deixa avançar...
O que me magoou? Muitas coisas...
A agressividade, a prepotência, a inveja, o mau feitio... As más caras, o ouvir constantemente dizer: "Têm que fazer" em vez do "Vamos fazer", a falta de um sorriso pela manhã, todos os dias que começámos sem um "bom dia", a ignorância, a insegurança escudada pela prepotência e tantas outras coisas... Que pena viver três anos assim... Teria sido bastante mais fácil se em vez da prepotência fossem usados sorrisos. Assim em vez de saudade ficou a mágoa...Ainda bem que existiram as crianças. Sem elas teria sido impossível sobreviver...
Uma palavra de agradecimento às duas colegas que comigo repartiram estes tempos complicados, que muitas vezes me ouviram e a quem muitas vezes ouvi, que muito partilharam comigo e com quem muito partilhei. Foi bom trabalhar com elas. Uma palavra de agradecimento à colega do apoio que foi uma aliada fantástica É uma grande profissional. Uma palavra de agradecimento aos Pais que sempre me apoiaram, que me confiaram os seus filhos e que me ajudaram a construir escola. Um agradecimento aos órgãos de gestão que sempre me trataram com muito respeito e muita humanidade. Fazem um excelente trabalho. Aos outros, desejo do fundo de coração que repensem no seu modo de estar e de agir e que se lembrem que não é com má cara com prepotência que conseguem liderar. O verdadeiro líder é aquele que serve e nunca aquele que pensa que manda...
Finalmente fechei este ciclo. Finalmente gritei o que me ia dentro...
Não valeram de nada as difamações, as perseguições e as tentativas de denegrir o nosso trabalho, as más caras e as ameaças...O tempo passou e, apesar de todos os obstáculos que puseste no nosso caminho, nós fizemos um bom trabalho. Fechámos o ciclo e fizemos o nosso melhor. Nada do que possas fazer ou dizer pode apagar o que de bom fizemos...

Homenagem


Um encanto, este poema!
Pelo menos para mim, que acredito em felicidade e em magia! Acho que é de família!!!

DUENDES

Andam duendes à solta
Nalguns caminhos 'scondidos,
Só quem apura os sentidos
Pode senti-los à volta.

Ouvem, alguns, gargalhadas,
Outros só ouvem gemidos,
Nesses atalhos seguidos
Em noites mais estreladas.

É nesse mundo risonho,
Sem um temor desmedido,
Que cause dor, ou revolta,

Que, quem viveu um tal sonho,
Se mostra mais convencido
Que andam duentes à solta.

Vítor Cintra

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O Douro é...

Para mim o Douro é...
video

domingo, 9 de agosto de 2009

Douro...

Sempre adorei o Douro! Tenho visto muitas coisas bonitas, muitos destinos turísticos, mas como o Douro, não há igual!
Mais uma vez ando por cá e o encanto é o mesmo. No Douro descanso, no Douro reencontro a paz!...




sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Uma História de gatos

Como este é um blogue que fala de Gatos, aqui fica uma história redonda, constuída pelas crianças da sala nº4 do JI Brandoa 2, a partir do livro "Desculpa, por acaso és uma bruxa?", do Plano Nacional de Leitura.




Eu queria postar esta história na barra lateral... Mas como não consegui, deixo-a aqui.